“Os tempos converteron en impopular a manifestación aberta do odio aos xudeus. Sendo este o caso, o antisemita busca novas formas e foros onde poder instalar o seu veleno. Agora agóchao tras unha nova máscara. Agora non odia aos xudeus, só é antisionista!!”.
Martir Luther King na súa "Carta a un amigo antisionista" 1967.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

A central sindical da Histadrut, pasado e presente dos obreiros israelies


Pasado

Fundada o 12 de decembro de 1920 no Technion de Haifa, a centras sindical Histadrut celebrou hai uns días o seu 94º aniversario. Foi creada coma un sindicato de clase que organizase a defensa e as actividades económicas cooperativas dos traballadores xudeus. Outros intentos da devandita organización fixéronse anteriormente, pero fracasaran debido á insistencia dalgúns partidos políticos en manter os seus propios servizos para os seus membros. Vendo que a perpetuación dos sindicatos rivais era, por suposto, contraproducente, fixéronse esforzos para establecer unha organización non partidista, non política. A organización dirixiría actividades tales como a unión de consumidores, o fondo de atención médica, e as bolsas de traballo. Destes esforzos foi que naceu a Histadrut.

Os membros fundadores estaban profundamente influenciados pola tradición característica socialista ruso-xudía da segunda aliá (1904-1914). Eles crían firmemente na constante construción e asentamento en Palestina, e dedicáronse á recuperación da lingua hebrea e a cultura xudía. Como socialistas, crían firmemente que os representantes dos traballadores non deberían gañar máis que os propios traballadores. As resolucións de apertura do primeiro Congreso da Histadrut manifestaron as súas metas ao afirmar que: "É o obxectivo da Federación Unida de todos os obreiros e traballadores de Israel que viven da suor da súa fronte e sen explotación do traballo dos demais, promover a colonización de terras, involucrarse en todos os aspectos económicos e culturais que afectan á man de obra en Palestina, e a construción alí dunha sociedade de traballadores xudeus"..

En 1920, a Histadrut contaba con aproximadamente 4.400 afiliados. En 1922, 8.394 dos 16.608 traballadores do país eran membros da Histadrut. O 75% dos xudeus que chegaron ao país tamén se afiliaron. En 1927, a Histadrut reclamou servir a 25.000 traballadores, abarcando xa o 75% de toda a forza laboral na Palestina xudía.

Presente

A Asociación de Fabricantes de Israel e a Histadrut evitaron por pouco unha folga do sector privado, o 3 de decembro de 2014, cando chegaron á decisión de aumentar o salario mínimo a 700 shekels por mes. A dirección da Histadrut esperaban en principio un aumento de 1.000 shekel. Con este aumento, os traballadores de salario mínimo israelí finalmente levarán a casa 5.000 shekels (uns 1.260 dólares) ao mes. O salario aumentará en incrementos pequenos de 2015 a 2017, co primeiro aumento esperado en abril de 2015. A Histadrut está a traballar para ampliar este aumento no sector público, pero requirirá a aprobación do Ministro de Facenda, o cal pode complicarse desde que Netanyahu cesou ao Ministro de Finanzas Lapid o 2 de decembro de 2014 e as eleccións están programadas para o 17 de marzo de 2015. Este aumento tampouco se aplicará aos empregados por axencias gobernamentais.

A Histadrut mantivo unha posición de poder na sociedade israelí desde os seus inicios. As súas políticas estiveron guiadas polos seus obxectivos de lograr o pleno emprego, así como a seguridade da antigüidade para os seus traballadores. No seu impulso cara ao pleno emprego, a propia Histadrut converteuse no empleador máis grande de Israel. A súa existencia como empleador, así como defensor do traballador fai da Histadrut a organización máis complexa e única.

terça-feira, dezembro 16, 2014

Entrevista con Miquel Salarich, coronel do Tzahal e editor en catalán

Entrevista con Miquel Salarich, coronel do Tzahal (IDF - Exército de Defensa de Israel) e editor en catalán publicada no xornal barcelonés La Vanguardia.


sábado, dezembro 13, 2014

Presenza xudaica na Galiza


 

Por Rubém Melide * 

Com especial releváncia até os alvores da Idade Moderna, a coletividade judaica manteve ao longo da nossa história umha presença continuada. Nom é por acaso que, da mesma maneira que os sefarditas expulsos dos territórios de língua castelhana, a coletividade judia galega e portuguesa manteve a sua versom da nossa língua longe das nossas terras, nomeadamente na França, Países Baixos e Inglaterra, embora infelizmente o judeu-galego ou judeu-português seja um idioma já extinto, ou empregue só de umha maneira muito reduzida e circunscrita apenas a usos litúrgicos. Na sua obra Os judeus no Noroeste da Península Ibérica, o professor João Domingos Gomes Sanches explica-nos que os judeus nom som precisamente umha raça, conceito resultante dumha construçom cultural e nom dum facto biológico. Tratar-se-ia dumha coletividade –ou coletividades– cujo fio condutor seriam umha série de tradições e valores culturais.

Nom conhecemos com precisom o momento da chegada dos Hebreus à Península Ibérica, mas o que sabemos com certeza é o facto de os povos da Palestina conhecerem a Sepharad desde a noite dos tempos. Os comerciantes Fenícios chegaram até as nossas costas bem antes do aparecimento dos Romanos nelas e, já no terreno da lenda, o rei Salomom teria enviado expedições à Sepharad com o objetivo de se fazer com o ouro preciso para a construçom do primeiro templo de Jerusalém. No tocante ao primeiro momento em que aparece documentada a sua presença no país, a primeira referência é do século XI na vila de Celanova

Mais tarde, em 1289, temos constância documental dumha outra comunidade judia organizada na vila de Allariz, onde as autoridades cristãs e o representante dos judeus chegaram a um acordo para solucionarem eventuais conflitos. Desde o século XIV, as referências documentais aumentam, remetendo-nos para localidades como Pontevedra, Monterrei, Betanzos, A Coruña, Caldas, Noia e Ourense. Também conhecemos a existência de comunidades noutros pontos do mapa, tais como Ferrol, Ribadeu, Mondoñedo, Pontedeume, Compostela, Monforte, Baiona, Tui, Vilafranca, ou a vila galega com mais reminiscências judaicas na atualidade: Ribadavia.

A dizer de José Ramón Ónega, a comunidade judia de Ribadávia, junto com elementos doutras coletividades do país, manejava as redes comerciais da Galiza medieval, mas também as doutras partes da Península e ainda de fora desta. A tradiçom hebraica da vila é tam forte que mesmo existem autores, como Méndez Silva, que pensam que foram os Judeus os que impuseram ao rio Ávia o seu nome, que quereria dizer vontade de Deus. Aliás, segundo Otero Pedrayo, as gentes do Ribeiro tinham por pró-judeus os habitantes da vila.

Tradicionalmente, os Judeus foram considerados como um coletivo quase exclusivamente urbano, dedicado a atividades artesanais e comerciais, à medicina e à arrecadaçom. Temos exemplos documentados de hebreus galegos que exerceram todas estas profissões, como o arrecadador de Ourense Salomom Baquix, o também ourensano çirurgião Rab Juda ou o mercador Ysaque Rodriga.
Sendo o vinho um dos principais elementos materiais da economia galega medieval, nom podiam os Judeus ser alheios ao seu comércio. O vinho figura constantemente em contratos de foro e de empréstimo, segundo nos relata María Gloria de Antonio no seu Os xudeus en Galicia. Os Hebreus nom podiam beber vinho manipulado por mãos nom judias, mas admitiam-no frequentemente como modo de pagamento. Também o peixe foi um produto a cujo comércio se dedicaram os Judeus, circunstância que nos confirma o documento de 1384 segundo o qual o hebreu corunhês David possui umha nau “nova e grande e bem fornecida” que lhe serve para exportar peixe para o Mediterrâneo. Da dilatada presença judaica no mundo galaico e lusitano ficaram alguns vestígios, dos quais os apelidos estám entre os mais rastejáveis. Umha vez exilados em terras como a Aquitânia, encontramos no Caminho francês e nos cemitérios de Baiona e Bordéus nomes galego-portugueses, tais como Rodrigues, Álvares, Pereira, Mendes, Lopes, Depas (de Paz), Pixotte (Peixoto), Fonsèque (Fonseca), da Costa, Carvalho, Oliveira, Silva, Porto e outros.

No que diz respeito às perseguições religiosas, é um lugar-comum que a Galiza foi um terreno de relativa segurança e tolerância para as comunidades hebraicas no convulso contexto de fins do século XV, embora acabassem forçados à conversom ou ao exílio. Segundo Ónega, a tradiçom tolerante do país pode ter as suas raízes já no período suevo, o qual proporcionaria aos Judeus umha posiçom de que nom gozavam na última etapa do Império. Assim, os Hebreus ocuparam numerosos cargos oficiais, estando-lhes permitido casarem com mulheres cristãs. O mesmo autor assegura que os Judeus teriam participado das tentativas independentistas galegas da plena Idade Média. Mais umha vez, a segurança será a chave, pois na Galiza as comunidades hebraicas nom sofriam as perseguições e matanças que já naquela altura existiam noutras partes da Península.

Para culminarmos o aparente idílio entre os Judeus e a historiografia (-mitologia) nacional galega, temos o documento de 1447, citado por López Ferreiro, segundo o qual os Judeus teriam colaborado com os Irmandinhos no derrubamento do Castelo Ramiro, próximo da cidade de Ourense. Para Ónega, os judeus galegos estavam “identificados com o movimento popular, assumindo a causa irmandinha contra a nobreza opressora”.

* Artigo publicado no nº67de A REVISTA, suplemento do Novas da Galiza. Abril de 2014.

Desde Galiza: Jag Janucá Sameaj! Feliz Festa de Janucá!

Dende as Murallas de Lugo ate as Murallas de Xerusalén!

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Novo Curso de Posgrao sobre Israel 2015




Até o vindeiro xoves dia 18 de decembro esta aberta a inscrición ao Curso de Posgrao-Diploma de Experto Universitario: Israel, Política e Sociedade (UNED) Que será realizado "on line" do 12 de xaneiro ao 26 de xuño de 2015. Centro Sefarad-Israel e a Fundación UNED ofrecen do mesmo xeito que na edición do 2014, o Curso 2015 está dirixido a todas aquelas persoas interesadas en coñecer en profundidade e dunha perspectiva multidisciplinar, histórica o Estado de Israel na súa dimensión, política, económica, social e cultural. O Curso será impartido por un equipo docente de académicos e profesionais especialistas. Para máis información e matrícula AQUI

terça-feira, dezembro 09, 2014

Mahmoud Abbas reitera que nunca recoñecerá o estado xudeu

 
 
Noticias desde Brasil da Rua Judaica
 
O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse que os palestinos nunca iriam reconhecer Israel como um Estado Judeu, e acusou Israel de estabelecer um governo de “apartheid”. O líder palestino falou no Cairo em uma sessão de emergência da Liga Árabe com ministros de Relações Exteriores de todo o mundo árabe. As declarações foram feitas após uma semana de intenso debate entre os políticos israelenses sobre um projeto de lei que consagraria o status de Israel como um Estado judeu.

"Nós nunca vamos reconhecer a condição do Estado de Israel", disse Abbas segundo informe do Canal 10 de TV. A agência de notícias também informou que Abbas ameaçou encerrar toda a cooperação de segurança entre Israel e a Autoridade Palestina na Cisjordânia, a menos que as negociações de paz fossem revividas.  Israel não vai retomar as negociações, desde que Abbas tenha uma parceria com o grupo terrorista Hamas em um governo de união palestino.
Abbas acusou que em vez de fazer avançar o processo de paz, Israel estava trabalhando para estabelecer um Estado de “apartheid”, incluindo os judeus somente, estabelecendo a soberania legal israelense sobre assentamentos na Cisjordânia, a proposta de "Estado Judeu de Direito”, e as exigências de declarações de lealdade pelos cidadãos.

"Voltar às negociações é possível se Israel concordar com algumas questões: um congelamento total da colonização, incluindo Jerusalém, a loiberação do quarto grupo de prisioneiros de longo prazo, e definir um calendário para as negociações que terão início com a definição das fronteiras", disse Abbas. Israel concordou em libertar quatro grupos de prisioneiros palestinos como pré-condição para as negociações americanas mediadas, que começaram no ano passado, mas se recusou a liberar o lote final, em março, devido a uma disputa sobre exigências palestinas de que prisioneiros árabes-israelenses seriam incluídos.

Abbas disse que os palestinos não estavam dispostos a esperar mais para o progresso e estavam determinados a apresentar uma petição ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para exigir um calendário para o fim da ocupação dos territórios palestinos por Israel. "É impossível para nós esperar mais, porque Israel continua sua agressão e desapropriação de terras, continuando a construir assentamentos", disse Abbas. "O governo de Israel não quer, por razões internas, definir suas fronteiras e não podemos continuar com esta situação." 
De acordo com o Canal 10, Abbas disse que pediu ao secretário de Estado dos EUA, John Kerry, a cooperação na elaboração da proposta ao Conselho de Segurança, a fim de exercer pressão sobre Israel a cessar a construção de assentamentos.

A resolução é provável - mas não certa - porque ela fica aquém dos votos necessários ou porque os EUA vão vetá-la. Mas provavelmente vai adicionar impulso ao apoio internacional para um Estado palestino. Abbas advertiu que os palestinos poderiam tomar outras medidas, incluindo a adesão ao Tribunal Penal Internacional, se o Conselho de Segurança rejeitar a resolução. O presidente da PA disse que iria tomar essas medidas, a menos que Israel "assumisse a responsabilidade pela situação."

sábado, dezembro 06, 2014

Obama contra Netanyahu


Por Jaume Renyer

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama está a intervir directamente na política interior de Israel tentando evitar a reelección de Benyamin Netanyhau nas Eleccións adiantadas ao próximo 17 de marzo do 2015 despois de que este destituíse os ministros Tzipi Livni e Yair Lapid, os preferidos polo presidente nordamericà para substituír o indomable patriota xudeu que demostrou ser Netanyahu. Onte mesmo o informativo especializado en materia de seguridade, terrorismo e xeoestratexia Debka afirmaba: "Obama sete onde obstructing Netanyahu´s re-election?.

Os desencontros entre Obama e Netanyahu son radicais: o presidente USA renunciou a atacar o réxime xenocida de Al-Assad en Siria, está disposto a permitir que Irán se converta nunha potencia nuclear, e apoia o recoñecemento do Estado de Palestina aínda que non haxa paz con Israel. Netanyahu está disposto, se chega o caso, a atacar en solitario en Irán antes de permitir que ese réxime islamita faga realidade o seu propósito de borrar Israel do mapa da terra. Netanyahu non quere claudicar -como se lle esixe polo conxunto de Occidente- ante a chantaxe orquestrada polo conxunto dos estados musulmáns en prol da Palestina árabe.

En definitiva, Israel liderado por Netanyahu é un baluarte contra a expansión do totalitarismo islámico, sexa chiita ou sunnita, mentres que os USA e a UE buscan -ilusoriamente- acomodarse aceptando que os intereses económicos de orde política dos estados islámicos penetre as sociedades occidentais. Por iso, Israel afronta dende hoxe a tres meses unhas eleccións decisivas para a súa supervivencia como nación soberana: ou se mantén nesa condición pagando o prezo con sangue da súa liberdade, ou transfórmase nun simple monicreque -como a UE en mans dos Estados Unidos- e, en último termo, ao alcance do conxunto das teocracias islámicas que queren aniquilalo.